ARQUIVO DE ARTIGOS

Lìngua: PORTUGUÊS

Um pacto solene com sabor a fundação

Diário de uma viagem ao Quénia, 2ª parte - Conclusão da Escola EdC Pan-Africana e início da Conferência Cuea a 26 de Janeiro de 2011

Um pacto solene com sabor a fundação


Para compreender a EdC é necessário ter "fome de vida e de futuro"

por Luigino Bruni

110125_Nairobi_46_ridNairobi, 26 de Janeiro de 2011 – Terminou ontem a 1ª Escola EdC Pan-Africana na Mariápolis Piero e hoje, no 30º aniversário da morte aqui em Nairobi de Piero Pasolini (NR: um dos primeiros focolarinos a trazer o carisma da unidade à África), demos início à conferência na Universidade Católica.

A Escola Pan-Africana foi um dos mais fortes eventos de que eu me lembro na EdC: estes povos (e eram muitos os Países representados, de toda a África subsaariana) têm uma pureza na adesão ao carisma de Chiara Lubich que realmente me impressionou muito.

Convidámo-los a fazer um Pacto "de compromisso" para difundir a Economia de Comunhão na África, assinando numa folha em branco, especificando que era uma livre escolha de um pacto sério, e que deveriam assinar somente quem sentia esta vocação à EdC por amor à África.

Foram muitíssimos os que assinaram, com grande solenidade e, em seguida, ontem, na missa com o Núncio Apostólico, colocámos as 4 folhas de assinaturas sobre o altar. Devia ser Genevieve Sanze a levá-las e dizer uma oração durante o 110125_Nairobi_51_ridofertório, mas ela me pediu para o fazer. E eu, totalmente apanhado de surpresa, quando chegou o momento de abrir a boca e de rezar mais ou menos assim: "Senhor aceita estas assinaturas, que são a nossa vida oferecida para que na África se possa difundir uma economia de comunhão..." – fiquei bloqueado, não conseguia dizer mais nada devido à emoção que se apoderou de mim.

Veio-me em mente, como num filme e por um instante, o sofrimento destes povos, os meus irmãos europeus que vieram para estas terras para arrebatar pessoas e recursos, para tratá-los como escravos, como ‘meias-pessoas’. E pensei em Chiara Lubich, nos muitos missionários vindos para aqui dando  a sua vida (quantos morreram!) nos últimos séculos, iniciando obras sociais para aliviar o sofrimento destes povos, nos nossos fcolarinos e focolarinas que deram e continuam a dar a sua vida. Mas acima de tudo olhei para aquela centena de pessoas que ali estavam, uma a uma, que se entregaram para que através da EdC a África venha a encontrar o seu caminho.

110125_Nairobi_49_ridHavia muito amor e muita esperança naquela assinatura. E eu bloqueei, fazendo “má” figura diante do Núncio Apostólico (a quem fora apresentado como o responsável do projeto!). No entanto, também aquelas lágrimas criaram maior fraternidade e igualdade com todos, talvez mostrando que não tínhamos lá ido para falar de teorias, mas que sentimos em nós as alegrias, as esperanças e os sofrimentos das suas terras.

A liturgia do primeiro dia falava de Jesus que escolheu os doze. Hoje, a liturgia falava de Jesus que escolheu os 72 discípulos: tudo  falava de missão, de apostolado: a liturgia acompanha-nos sempre nestes momentos ‘de fundação’.

Estamos a viver um momento importante: para muitos é reviver algo semelhante à "bomba brasileira".

Em concreto:
• Avançaram os primeiros 15 sócios do futuro pólo na Mariápolis Piero, e chegaram os primeiros fundos.

Uma  dezena de empresários presentes aderiram formalmente à EdC com as suas empresas, o que me 110125_Nairobi_52_ridparece ser uma coisa enorme. Foram esboçados alguns projetos concretos, que partiram deles. Num destes projetos, no Burundi, o Bangco Kabayan entrará como parceiro num programa de micro-crédito, dando assim início à sua primeira atividade fora das Filipinas.

Nasceu a Comissão EdC Pan-Africana, com Genevieve Sanze (que é também membro da Comissão Central) como coordenadora, dois secretários na Mariápolis Piero (que será a sede desta Comissão) e um representante de cada região da África.

Teresa Ganzon, John Mundell, Leo Andringa, Giampietro e Elisa Parolin, Francesco Tortorella, e as suas famílias, foram um dom para todos. Foi uma festa lindíssima, muitos dos convidados (John e a esposa Julie, Giampietro, Leo e Anneke, 110125_Nairobi_47_ridTeresa e seu marido Francis e sua filha Alexandra) contribuíram com apresentações artísticas.

É maravilhoso o entendimento com todos, incluindo os responsáveis do Movimento dos Focolares aqui: mesmo se se trabalha muito, o fazê-lo juntos torna o jugo leve e suave, e sobretudo há muita alegria e rimos muito.

E a partir de hoje estamos na CUEA: muitos dos participantes na Escola vieram, e a les se juntaram alunos e professores daqui. Abrimos com a mensagem do Cardeal Presidente de Justitia e Pax no Vaticano. Seguiram-se os relatórios sobre a EdC e a cultura Africana, com um vivo diálogo e com grande interesse. O almoço foi muito chique e, em seguida, à tarde continuámos os trabalhos. O contexto mudou, mas  é forte a sensação de se estar a viver dias especiais.


Desta conferência deveria nascer um curso permanente sobre a EdC, liderado por professores do nosso grupo: devemos investir na África, há necessidade e entusiasmo: estes povos mais "jovens" (mesmo se estamos perto do vale de Rift) têm110125_Nairobi_53_rid uma fome de vida e de futuro que é a pré-condição para entender a EdC e antes ainda o carisma da unidade de Chiara Lubich: se faltar esta "fome" não há esperança de que alguém possa compreender o carisma. Aqui as pessoas querem viver: fiquei impressionado ao ver o quanto aqui os jovens gostam de estudar. Para eles entrar numa faculdade é o seu maior desejo na vida, porque significa futuro. Ver jovens estudando à noite sob os lampiões públicos porque nem todos têm luz em casa... (e vinha-me de pensar nos nossos estudantes muitas vezes desinteressados porque têm tudo, e portanto apagaram dentro de si o desejo). Sem este desejo e fome de futuro o nosso movimento não pode crescer.


Fizemos reuniões importantes, no clima da Palavra do Evangelho: em muitas mulheres africanas, belas, de uma beleza perdida no ocidente, eu revi as mulheres dos Evangelhos e da Bíblia e o seu amor concreto por Jesus, pelos apóstolos e pelos profetas.
110125_Nairobi_50_ridA África fala muito de mulheres (entendi por que alguém propôs o Nobel da paz para as mulheres africanas!), porque nelas se concentram as maiores feridas e as maiores bênçãos destes povos (incluindo as nossas focolarinas).

Revi a figura de Zaqueu, num participante vindo dos Camarões, rico, que nestes dias quis doar parte de seus bens à EdC: "Eu sou de Fontem, o movimento, quando eu era uma criança, me salvou a vida, e pôs-me a estudar na sua faculdade. Hoje eu percebi que também eu tenho que doar". E Nicodemos, num ancião de Douala que sentiu vontade de renascer no Espírito, juntando-se com sua empresa à EdC.

Mas vi sobretudo Maria, a operar na sua Obra ("Obra de Maria" é o nome oficial do Movimento dos Focolares), nos cantos ("mama Maria") cantados nas lindas liturgias e presentíssima nesta terra. E poderia continuar, mas... não o faço, porque amanhã temos mais um dia intenso, que deve ser ainda mais bonito. "Do teu espírito, Senhor, está cheia a terra".

Image

ARQUIVO DE ARTIGOS

Lìngua: PORTUGUÊS

LIVROS, ARTIGOS & MEIOS

Lìngua: PORTUGUÊS

Filtrar por Categorias

© 2008 - 2021 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - edc@marcoriccardi.it